Saúde masculina no calendário

A falta de cuidados com a saúde masculina é cultural

As mulheres aprendem que é importante se cuidar desde muito cedo, que precisam ir ao médico sempre, fazer o acompanhamento ginecológico, se  prevenir e cuidar das doenças.

Por outro lado, os homens são ensinados que homem não chora, não tem fraquezas e não ficam doentes. Essa cultura reforça as estatísticas de que os homens vivem em média sete anos a menos do que as mulheres.

De um modo geral, os homens não cuidam da própria saúde e, como consequência, sofrem com doenças que poderiam ser evitadas com atitudes preventivas.

Mas, afinal, como cuidar da saúde masculina?

Para facilitar, a equipe do CBU preparou para você um Calendário da Saúde Masculina.

Nele, você vai encontrar os exames mais importantes de acordo com a faixa etária do homem. Confira, a seguir:

Em qualquer idade

A primeira precaução é comum a todas as idades. Aferir a pressão arterial ao menos uma vez por ano ajuda a diagnosticar a hipertensão.

Aos 35 anos

É importante realizar um exame de sangue para dosar o colesterol e triglicérides, pelo menos de cinco em cinco anos.

Aos 40 anos

Os exames de eletroforese de proteínas e a endoscopia digestiva previnem o mieloma múltiplo e o câncer de esôfago, respectivamente.

Aos 50 anos

Anualmente, recomenda-se a realização da pesquisa de sangue oculto nas fezes, que previne o câncer colorretal mais check up prostático.

Outros cuidados da saúde masculina

  • Praticar atividade física periodicamente;
  • Manter uma alimentação balanceada;
  • Evitar gorduras e açúcar em excesso;
  • Ingerir bastante líquidos (principalmente água);
  • Consultar um médico em eventuais incômodos ou caso notar algo diferente no próprio corpo.

Uma vida saudável depende do bem-estar físico, mental e social e da harmonia entre essas áreas.

Lembre-se: viver com saúde é pensar em você e naqueles que vivem a sua volta!

Consulte regularmente seu urologista. Para agendar uma consulta com um dos urologistas do CBU, clique aqui.

Novo coronavírus: não adie suas consultas!

 

A pandemia do novo coronavírus fez a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) em parceria com a Astellas, criar a campanha: Trato Feito com a Saúde.

O objetivo da campanha é alertar pacientes com doenças urológicas que adiaram seus procedimentos e consultas por medo de contraírem o novo coronavírus.

O comprometimento com a saúde é algo que o próprio paciente deve priorizar. No entanto, por medo de se arriscar, muitos têm desmarcado cirurgias e intervenções de forma desnecessária.

Como cuidar da sua saúde e manter-se longe do novo coronavírus

Nestes últimos meses, com o novo coronavírus rodando pelo mundo, muitos pacientes preferiram passar em consultas médicas, ao invés de se exporem em hospitais.

Por conta desse comportamento da população, os principais hospitais de SP já dividiram suas alas para pacientes com COVID-19 e pacientes das demais doenças. Além disso, seguem rigoroso protocolo de higiene e limpeza, para mitigarem os riscos de contaminação.

Sugerimos a ida em clínicas e consultórios. Caso seja necessário, o indivíduo será encaminhado ao hospital, com todos os cuidados envolvidos.

Os tratamentos urológicos não devem ser adiados

Doenças urológicas como tumores e infecções, não podem ser adiados. Inclusive, alguns tumores diminuem a chance de cura quando descobertos e tratados tardiamente.

O mesmo vale para doenças que diminuem a qualidade de vida dos pacientes, como a incontinência urinária, a bexiga hiperativa, a fimose e o cálculo renal.

Sintomas que servem de alerta

Além da consulta de rotina, essencial para manter a saúde do homem em dia, recomenda-se que o paciente busque pronta ajuda urológica no caso de sintomas, como:

– sangue na urina;

– dor ao urinar;

– dificuldade para urinar;

– cólica renal;

– dor no pênis (glande), ou nos testículos;

– aumento do volume da bolsa escrotal;

Entre outros sinais anormais ao funcionamento do organismo.

Em caso de sintomas, ou para consulta de rotina, consulte um Urologista.

Para agendar uma consulta via telemedicina ou presencial com algum dos Cirurgiões-Urologistas do CBU, clique aqui.

Infecções do trato urinário

Conheça as principais infecções do trato urinário e suas causas

O sistema urinário não tem bactérias (ao contrário da boca, do ouvido e do intestino). No entanto, quando uma bactéria chega até a bexiga ocorre a infecção urinária.

O jeito mais comum desta bactéria chegar lá é pelo canal da urina: a abertura da uretra na extremidade do pênis, nos homens, ou a abertura da uretra na vulva, nas mulheres.

A infecção sobe da uretra para a bexiga e, algumas vezes, para os rins, ou ambos. A outra via possível é a corrente sanguínea, geralmente, para os rins.

Qualquer parte do trato urinário pode ser infectada: bexiga (cistite), rins (pielonefrite), uretra (uretrite), próstata (prostatite).

As infecções do trato urinário podem ocorrer tanto em crianças como em adultos.

 

Como elas acontecem?

As infecções do trato urinário são quase sempre causadas por bactérias, mas também podem surgir por conta de determinados vírus, fungos e parasitas.

As bactérias que penetram no trato urinário são geralmente expulsas por meio da urina.

Mais de 85% delas são causadas por bactérias do intestino ou da vagina.

 

As infecções causadas por bactérias

As infecções bacterianas do trato urinário inferior, geralmente a bexiga, são muito comuns, especialmente em mulheres jovens e sexualmente ativas. E a bactéria que mais causa as infecções do trato urinário é a Escherichia coli.

 

Homens e mulheres são afetados da mesma forma?

Os fatores de risco que aumentam a chance de infecção são diferentes entre homens e mulheres. Nas mulheres jovens, a relação sexual e o estresse são determinantes. Após a menopausa, as alterações hormonais levam a uma fragilidade na região da uretra o que facilita a infecção.

Em homens idosos, a infecção muitas vezes está associada ao aumento do volume da próstata. Essa condição, dificulta o esvaziamento vesical fazendo com que fique um pouco de urina dentro da bexiga, mesmo após a micção. Esta urina serve de meio de cultura para bactérias levando às infecções do trato urinário.

 

Cuidados e tratamento

Em nosso canal no YouTube você pode ter mais orientações de como se proteger e evitar infecções.

Confira, clicando no link: https://bit.ly/2PSndEC

Todo homem com infecção de urina deve ser avaliado por um urologista, principalmente se apresentar redução da força do jato urinário ou acordar muitas vezes à noite para urinar.

Com o check up prostático, o médico especialista realizará o diagnóstico e recomendará o tratamento mais indicado.

Se desejar tirar dúvidas pontuais sobre as infecções do trato urinário, agende uma teleorientação sem custo, pelo nosso site, clique aqui!

 

Pielonefrite

O “caso Ludmila”

No mês de maio deste ano, a cantora Ludmila procurou o hospital com fortes dores abdominais. Ela foi diagnosticada com o quadro de pielonefrite aguda complicada. O caso foi sério e ela chegou a ser tratada com morfina.

Mas afinal, o que é pielonefrite?

A pielonefrite é uma inflamação renal provocada pela ação de bactérias nos rins e nos ureteres, os ductos pelos quais a urina chega até a bexiga.

Essa infecção pode se manifestar de repente, de forma aguda, ou se tornar crônica após um episódio pontual.

Como acontece a infecção e quais os riscos para a saúde?

Na maioria dos casos, o agente infeccioso se instala inicialmente na uretra e na bexiga. No caso de falta de tratamento adequado, ele pode chegar até os ureteres e os rins.

A pielonefrite inspira cuidados médicos, exigindo internações em muitos casos. Isso acontece não só pela possibilidade de causar lesões que comprometam as funções renais, como também pelo risco de a bactéria ganhar a circulação e se espalhar por todo o organismo.

É preciso tomar cuidado especialmente com as crianças, os idosos e as pessoas que têm o sistema imunológico alterado por doenças ou tratamentos.

Conheça os sintomas da pielonefrite

As manifestações da pielonefrite podem ser muito parecidas com as da cistite. Isso significa que o paciente se queixa de dor nas costas (logo abaixo da última costela). Além disso, sente vontade de urinar com frequência, dor e ardência ao fim da micção e presença de urina escura e com odor desagradável.

Nos primeiros sintomas, busque ajuda

É importante alertar que a queda na imunidade e a ausência de um combate adequado ao microrganismo contribuem consideravelmente para que a bactéria avance.

Além disso, o acesso do agente infeccioso às estruturas funcionais dos rins pode ser facilitado por alguns fatores. São eles: as malformações do aparelho urinário, o refluxo de urina da bexiga para os rins, a formação de cálculos (pedras nos rins) ou qualquer outro tipo de obstrução local.

Se desejar tirar dúvidas pontuais sobre a pielonefrite, agende uma teleorientação sem custo, pelo nosso site, clicando aqui.

Por que a varicocele preocupa os homens?

Saiba mais sobre a varicocele e entenda porque ela é tão temida pelos pacientes.

A varicocele é uma doença caracterizada pela dilatação das veias localizadas no testículo do homem. É  conhecida popularmente como varizes das veias testiculares. A dilatação da veia ( varicocele ) é provocada pelo mau funcionamento das válvulas venosas locais, associadas ao refluxo venoso.

Causas

As causas da varicocele estão relacionadas ao fator hereditário, em que pacientes com histórico familiar de varizes e hemorróidas são mais propensos a também desenvolverem as varizes testiculares.

Diagnóstico

Geralmente, o diagnóstico da varicocele já é dado na própria consulta com o Urologista, após avaliação clínica. E, em caso de dúvidas, o profissional irá solicitar ultrassom dos testículos com doppler colorido.

Por que a varicocele preocupa tanto os pacientes?

A preocupação gira em torno do tema da infertilidade. Sabe-se que a varicocele é a principal causa tratável da infertilidade masculina. As veias testiculares têm função importante no resfriamento dos testículos, que precisam estar mais frios que o restante do corpo para perfeito funcionamento.

As varizes (veias dilatadas) prejudicam este mecanismo e, como consequência, provocam um estresse oxidativo local. Por conta disso, muitos pacientes com a doença terão seus espermogramas alterados ou apenas saberão da doença ao tentarem engravidar suas parceiras e não obterem êxito.

Dessa forma, ressaltamos a importância de visitar um Urologista regularmente e verificar os resultados dos seus exames de rotina. O check up urológico identifica precocemente a doença, e se for necessário, já pode entrar com intervenção médica para tratá-la, antes mesmo de você desejar ser pai.

Todo homem com varicocele é infértil?

Não! A doença varia do grau I ao grau III, em que somente os pacientes com graus II e III podem ter sua fertilidade afetada.

Tratamentos

Quanto antes o paciente for diagnosticado, melhor. Existem os pacientes que nem precisarão ser tratados (aqueles com grau leve), apenas acompanhados anualmente. Aqueles que tiverem os graus moderado e intenso da doença, com comprometimento clínico e laboratorial identificados, deverão ser tratados o quanto antes, pois com o tempo, as varizes causam prejuízos cumulativos à região.

O tratamento é cirúrgico, através de uma microcirurgia. Os resultados são muito eficazes, podendo melhorar significativamente o espermograma em até 60% dos casos.

Consulte o seu Cirurgião-Urologista de confiança para a realização de um check up e também para realizar a sua intervenção cirúrgica.

Conte com a equipe do CBU!

Agendamentos através do (11) 3046-3690 ou agende on-line por aqui!

 

 

Mês Mundial da Infertilidade – vamos falar sobre isso!

Precisamos tratar a infertilidade sem tabus!

A infertilidade é um tema que desperta grande interesse entre as pessoas, e por isso, o mês de Junho é considerado o mês mundial da conscientização da infertilidade. É preciso falar sobre isso, quebrar tabus e encarar com naturalidade. O problema está presente em cerca de 15% da população mundial, segundo a OMS e o motivo é igualmente distribuído entre as causas masculinas e femininas.

Diagnóstico 

Um casal é considerado infértil após um ano de tentativas regulares de engravida, sem êxito. É possível investigar a capacidade fértil de ambos os indivíduos. Por meio de exames laboratoriais, avalia-se a função ovariana da mulher e suas taxas hormonais, enquanto no homem, o espermograma pode demonstrar a fertilidade, onde se quantifica a concentração, o volume e a liquefação dos espermatozóides. Mas, mesmo como todos estes exames, o diagnóstico da infertilidade é clínico e será dado após a real impossibilidade de engravidar!

Principais causas da infertilidade feminina e masculina

Cerca de 20% dos casais inférteis não possuem causa aparente que justificam a impossibilidade de engravidarem naturalmente.

Os demais 80% dos casais, metade terão causas relacionadas ao homem e a outra metade relacionadas às mulheres. Para o sexo masculino, as causas mais comuns são: varicocele (40% dos casos, aproximadamente), falência testicular, infecção seminal, criptorquidia, obstruções do epidídimo e as disfunções hormonais.

Muito importante salientar que o uso de testosterona e outros anabolizantes podem causar infertilidade no homem jovem. Infelizmente tem sido cada vez mais comum homens inférteis devido ao uso de anabolizantes.

No caso das mulheres inférteis, as principais causas estão relacionadas à endometriose, síndrome dos ovários policísticos, disfunções hormonais, entre outros fatores.

A idade é um fator que afeta significativamente a qualidade e quantidade dos óvulos da mulher e também a qualidade dos espermatozóides do homem. Acima dos 35 anos as chances de gestação natural diminuem gradativamente.

Tratamento da Infertilidade

Após investigar o casal, o médico Urologista ou Ginecologista irá definir qual o melhor tratamento de acordo com as expectativas dos pacientes, com o tempo de infertilidade, com as causas conhecidas e com a idade da mulher.

Os principais tratamentos são: cirurgia de varicocele, reversão da vasectomia, cirurgia de endometriose e os métodos de reprodução assistida: indução da ovulação com a relação sexual programada, inseminação artificial e a fertilização in vitro (FIV).

O importante é ter sempre em mente que devemos tratar o casal antes de indicar qualquer tecnologia reprodutiva mais sofisticada, pois o casal poder ser infértil por ter alguma doença sistêmica que só vai ser descoberta numa avaliação rigorosa e bem sistematizada. Ou seja, existem várias causas potencialmente graves para a saúde do indivíduo e até fatais que podem ter como manifestação também um quadro de infertilidade.

Consulte um Urologista ou Ginecologista. Para agendar uma consulta com um dos Urologistas do CBU, clique aqui.

Hiperplasia Prostática Benigna

Você sabe o que significa Hiperplasia Prostática Benigna?

A próstata é um órgão exclusivamente masculino que aumenta de tamanho após a puberdade com o estímulo da testosterona. Dessa forma, ela continua aumentando de volume com o passar dos anos, sem que isso venha a se tornar um câncer.

Esse crescimento progressivo ocorre em todos os homens de maneira natural. Em alguns pacientes, a próstata pode crescer mais do que o normal levando a obstrução da uretra com redução da força do jato urinário e esvaziamento vesical incompleto, levando o paciente a se levantar muitas vezes durante a noite para urinar. 

Chamamos de hiperplasia prostática benigna  esse crescimento benigno da próstata que, em alguns pacientes, pode levar a sintomas urinários obstrutivos como: jato fraco de urina, vontade de urinar com mais frequência e no meio da noite.

Esses sintomas de obstrução podem vir acompanhados de vontade súbita de urinar ou mesmo possíveis perdas de urina antes de chegar ao banheiro.

O crescimento da próstata preocupa você?

Segundo o Dr. Mario Delgado, urologista e fundador do CBU, o risco da hiperplasia prostática benigna (HPB) aumenta com a idade, chegando próximo a 90 % de incidência em homens com mais de 90 anos. 

Mas ao contrário do que muitos pensam, a hiperplasia prostática benigna não tem relação com a cirurgia da vasectomia ou com a atividade sexual masculina.

A avaliação urológica com check up anual deve ser iniciada a partir dos 40 anos de idade, caso o paciente não apresente sintomas antes disso.

É muito importante ter em mente a fisiopatologia da hiperplasia prostática benigna e tratar o paciente como um todo, não apenas com o foco nos sintomas urinários. 

Como vimos, a próstata cresce devido à ação da testosterona e alguns tratamentos podem causar efeitos colaterais levando à redução da ereção, da libido ou mesmo da fertilidade. 

No CBU, acreditamos que cada paciente deve ser tratado de forma individualizada e hoje em dia, a Medicina possui uma ampla variedade de opções terapêuticas que atendem a essa necessidade.  

Como é feito o diagnóstico da hiperplasia prostática?

O primeiro passo é averiguar a história clínica do paciente (como urina, quantas vezes acorda à noite para urinar, frequência urinária e etc).

Depois são realizados estudos do fluxo de urina e da Cistoscopia.

Em seguida, o médico solicita exames de sangue para verificar a função dos rins, pede a dosagem do PSA e o ultrassom da próstata e das vias urinárias, englobando os rins e a bexiga. 

O último exame é o toque retal que serve para classificar a glândula sobre o aspecto benigno ou tumoral, e se está inflamada ou não.

Como tratar a hiperplasia prostática?

Em muitos casos, a hiperplasia prostática benigna não representa maiores problemas e necessita apenas de acompanhamento com o urologista.

O tratamento da hiperplasia prostática benigna  vai depender dos sintomas apresentados e sua intensidade. Alguns medicamentos como a combinação de a-bloqueadores e 5-a-redutase pode ser a primeira linha de tratamento no homem. A cirurgia na próstata também pode ajudar, nos casos de sintomas mais severos. 

Agende uma consulta com seu urologista e obtenha um diagnóstico preciso, com indicação de tratamento. Essa decisão vai garantir a sua qualidade de vida, saúde e bem estar.

Para agendar uma consulta com um dos especialistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se desejar tirar dúvidas sobre hiperplasia prostática benigna, agende uma teleorientação sem custo, clicando aqui.

 

Quando o tratamento da Incontinência Urinária é cirúrgico?

Incontinência Urinária: um problema muito mais comum do que você imagina!

A incontinência urinária é caracterizada pela perda involuntária de urina. Esta condição é mais comum no sexo feminino, principalmente após os 40 anos de idade. A queixa de perda de urina pode demorar para ser relatada pelo paciente, pois passam meses e anos achando que a condição é normal!

Dentre as causas mais comuns temos: gestações, partos, obesidade, o comprometimento da musculatura pélvica e  a perda de colágeno natural, inerente ao envelhecimento. As causas menos comuns, mas também relacionadas, são: tumores, bexiga hiperativa e procedimentos cirúrgicos que provocaram lesões em nervos locais.

Tipos de Incontinência Urinária

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO:

Perda de urina ao tossir, espirrar, ou realizar qualquer outro esforço, como por exemplo a prática de atividade física. No caso deste tipo de incontinência, os principais fatores de risco são: ter muitos filhos, obesidade, tosse crônica e ter passado por cirurgias ginecológicas ou neurológicas previamente.

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE URGÊNCIA:

Vontade repentina de urinar, fazendo com que o indivíduo se direcione ao banheiro com urgência, provocando certos escapes de urina.

Tratamentos não cirúrgicos

Os tratamentos não cirúrgicos são os mais comuns e podem trazer ótimos resultados aos pacientes. São eles:

– Fisioterapia Pélvica: trata o controle da musculatura pélvica, promovendo fortalecimento da região e consciência corporal ao paciente;

– Laser: este tratamento é indicado em alguns casos de incontinência urinária feminina. Trata-se de um laser intra-vaginal que promove estímulo de colágeno interno;

– Tratamento farmacológico: para a incontinência urinária de urgência, este método costuma ser bastante eficiente.

Intervenção Cirúrgica:

Quando as terapias mencionadas anteriormente não geram efeitos, o indicado é seguir com a cirurgia.

A cirurgia de Sling, em que se coloca um suporte para restabelecer e reforçar os ligamentos que sustentam a uretra e promover seu fechamento durante o esforço, é a técnica mais utilizada atualmente.

Se você possui escape de urina, procure um médico Urologista. Você pode tratar esta condição e ganhar mais qualidade de vida!

Para agendar uma consulta com um dos especialistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se desejar tirar dúvidas, agende uma teleorientação sem custo com um dos profissionais do CBU.

 

Disfunção Sexual no Homem

Conheça as causas da disfunção sexual masculina!

A disfunção sexual masculina refere-se à dificuldade em ter relações sexuais.

Engloba diversos transtornos que afetam a libido (impulso sexual), a capacidade de alcançar ou manter uma ereção (disfunção erétil ou impotência), a capacidade de ejacular e a incapacidade de atingir o orgasmo.

Principais causas:

A disfunção sexual masculina pode ser resultante de fatores físicos ou psicológicos. Mas muitos casos resultam de uma combinação desses fatores. Isso quer dizer que um problema físico pode levar a problemas psicológicos.

Alguns exemplos de problemas psicológicos são os quadros de ansiedade, a depressão ou o estresse. E esses transtornos, por sua vez, podem agravar o problema físico da disfunção sexual.

Em algumas situações, os homens são muito exigentes consigo mesmo ou se sentem pressionados pela parceira para ter um bom desempenho sexual. Como consequência, sentem-se angustiados quando não conseguem atender às expectativas.

A ansiedade gerada por esse comportamento pode causar problemas e piorar ainda mais a sua disfunção sexual. Consequentemente, isso impacta de forma negativa na sua capacidade de desfrutar das relações sexuais.

A disfunção sexual nº 1 do ranking

Os distúrbios da ejaculação são as disfunções sexuais mais comuns apresentadas pelos homens.

Esses distúrbios incluem a ejaculação precoce antes ou um pouco depois de penetrar a vagina (ejaculação prematura), a ejaculação para dentro da bexiga (ejaculação retrógrada) e a incapacidade de ejacular (anejaculação).

A disfunção erétil é comum em homens de meia idade e idosos. A diminuição da libido também afeta alguns homens.

Dica: todos os sintomas de que algo não anda bem, devem ser examinados por um especialista, as vezes a dificuldade no ato sexual pode ser um sinal de outra doença como diabetes,  problemas cardíacos ou hormonais.

Para manter sua saúde em ordem, consulte sempre um Urologista!

Agende uma consulta com um dos especialistas do CBU ligando para (11) 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se desejar tirar dúvidas pontuais, agende uma teleorientação sem custo, clicando aqui!

 

Saúde Masculina em FOCO!

Vergonha e preconceito atrapalham os cuidados com a saúde masculina. Entenda porquê!

O comportamento do homem

Alguns estudos demonstram que os homens costumam ir menos ao médico que as mulheres. Além disso, eles realizam os exames preventivos com menos frequência também.

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2010 foi realizada uma pesquisa* com as sociedades médicas brasileiras, antropólogos e psicólogos sobre a saúde masculina. 

Nesta ocasião, foram ouvidos cerca de 250 especialistas e ficou constatado que os homens não costumam frequentar os consultórios por conta de três barreiras principais: cultural, institucionais e médicas.

A origem 

Dentre as barreiras culturais, o estudo destaca o conceito de masculinidade vigente na sociedade, no qual o homem se julga imune às doenças, consideradas por ele sinais de fragilidade. 

O homem como provedor não pode deixar de trabalhar para ir a uma consulta e cuidar da saúde masculina. Eles não reconhecem a doença como algo inerente à condição do homem. Por isso, acham que os serviços de saúde são destinados às mulheres, crianças e idosos. 

O resultado

A consequência desse comportamento é o aparecimento de uma série de doenças que são descobertas tardiamente e comprometem a saúde masculina. Doenças que poderiam ter sido tratadas antes e, por preconceito ou descuido, não foram.

Isso acontece porque alguns homens têm vergonha de cuidar da saúde, de compartilhar sua vida com o médico. Mas é preciso esclarecer as dúvidas sobre a saúde masculina e tentar derrubar esse preconceito.

Afinal, a saúde é muito mais importante do que o orgulho e deve ser tratada como prioridade na vida do homem. 

Para estar sempre com a saúde masculina em dia, consulte sempre um Urologista!

Para agendar uma consulta com um dos especialistas do CBU ligue para 3046-3690 ou clique aqui e faça o agendamento online.

Se desejar tirar dúvidas sobre saúde masculina, agende uma teleorientação sem custo clicando aqui.

*Esse levantamento está no portal da Escola Nacional de Saúde Pública, vinculado ao portal da Fundação Oswaldo Cruz (http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/22251)